quinta-feira, janeiro 26, 2006

CONTAS DE SUMIR


Ainda as amargas eleições presidenciais. Aliás, como dizia uma amiga minha, “leva isto para o lado positivo e pensa que nos próximos 10 anos a malta blogueira à conta do Cavaco vai ter muitas fontes de inspiração e diversão”. Tenho muitas dúvidas. A figura irritar-me-á sempre.
Voltemos então ao número fatídico de 50,6. As análises feitas a esta percentagem têm sido diversas. A esquerda diz que foi por pouco e que ele foi o presidente eleito com a percentagem mais baixa de sempre. Isso não me conforma. O problema é que ele foi eleito. E isso foi esmagador. Não é como no futebol, "eh pá só perdemos por 1-0". A diferença é que na semana seguinte voltamos a jogar e o resultado pode mudar enquanto que este score em princípio vai durar uma insuportável década. É demais.
De resto, a discussão dos números é completamente absurda. Números são números e a aritmética mantém-se inalterável. Claro que na análise do doentio José Pacheco Pereira,
50,6% é todo o povo português.
Cavaco Silva foi eleito por dois milhões setecentos e quarenta cinco mil quatrocentos e noventa e um portugueses. Somos mais de oito milhões, faltaram-lhe muitos para ser o Presidente de todos os portugueses. Não é assim oh Pacheco? Ou será que para ti 2+2 é igual a 40?

6 Comments:

Anonymous Anónimo said...

... só não percebo porque sofres por anticipação!!!! 10 anos????
i n g r i n a forever

7:09 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Here are some links that I believe will be interested

7:44 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Interesting website with a lot of resources and detailed explanations.
»

9:34 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Hmm I love the idea behind this website, very unique.
»

8:37 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Looking for information and found it at this great site...
»

10:29 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Wonderful and informative web site. I used information from that site its great. » »

12:13 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger

  • A MEMÓRIA QUE NÃO SE APAGA